Toda noite antes de dormir eu vejo os stories no Instagram, isso virou quase um hábito. Ontem, por coincidência, vi quatro stories abordando o mesmo tema em diferentes lugares: turistas. Neles, as pessoas comentavam que mal dava para apreciar o lugar porque estava lotado de turistas ou que não iriam a tal local naquela hora porque estaria lotado de grupos turísticos.

Assisti àquilo e fiquei pensando: “ué, mas esses que reclamam, também não são turistas?” Uma coisa leva a outra e cheguei a conclusão que nós, turistas, odiamos outros turistas. Só que muitas vezes não admitimos isso claramente, mas através de comentários com os acima citados.

Criamos denominações para nossos perfis de viagem, como viajante, mochileiro, relax, aventureiro, foodie, festivo ou shopaholic; e não admitimos que somos, também, turistas. Se estamos em outro CEP que não o nosso de origem, somos turistas e ponto final.

Leia mais: As tendências de viagem que surgem no Instagram

O Dicionário Aurélio qualifica turista como “pessoa que viaja por diversão ou recreio dentro ou fora do país”. Então, até uma viagem à lazer para a cidade vizinha te faz um turista. O problema, ao meu ver, é admitir isso. Até porque, a imagem do turista é clichê: senhor de meia idade, cabelos brancos, camisa florida e sandálias comfortflex, que viaja em grupo. Só que, qual é o problema disso?

Seja legal, o mundo é uma cidade pequena, é verdade. 💙

A post shared by As viagens de Trintim ✈ (@asviagensdetrintim) on

Conhecer só lugares frequentados por locais não te faz melhor ou pior do que o cara que viaja para ver os pontos turísticos. Se viaja sozinho ou por conta própria, você não é mais ou menos turista do que a pessoa que viaja em grupo. Podemos até nominar perfis de viagem, mas no fundo, todos somos turistas lotando pontos famosos em busca da melhor foto.

O que não dá, ao meu ver, é criticar ou rotular o outro ou quem prefere viajar em grupos, menosprezando essa escolha. Eu mesma já viajei em grupos várias vezes com a minha avó. Não é meu estilo preferido de viagem, admito, mas tudo bem, porque para mim o mais importante é conhecer um novo lugar. Viajar é bom e prazeroso independente do modo.

Procurar definição ou rótulos para as viagens é limitar as experiências. Somos todos turistas que as vezes preferem tipos diferentes de viagem. E não há nada de errado com isso.

A Mari, do blog Mariana Viaja, escreveu um post muito interessante sobre o assunto. Vale a pena ler e refletir, até porque é uma outra visão a respeito do mesmo tema.

2 COMENTÁRIOS

  1. Otima reflexão!
    E acho q um dos stories foi o meu

    Acho q o grande problema são os turistas sem noção. Param pra tirar a tradicional foto no melhor ângulo e nunca mais saem de lá!
    Fiquei mais de 5 minutos esperando uma mesma família tirar trocentas fotos, em pé, deitada, com a mãe, com a avó, analisavam a foto ali mesmo, calma não ficou boa, mais um click!
    Assim não da!

    E isso tem acontecido c uma frequencia absurda.

    Bjsss

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here